quinta-feira, maio 03, 2007

Algarvia


Aninhas-te sob um manto verde,
e deixas-te serena, branda
envolver pela brisa do mar que te banha os pés…

Sussurra o vento,
sobre teus campos vastos,
ilumina o sol tuas casas alvas,
e deixas-te cintilante,
na encosta do majestoso Pico!

Nas tuas margens agrestes
mora um majestoso,
por vezes tenebroso,
outras tantas ameno
oceano!
Azul, profundo, cheio…

Que se confunde com o verde
das tuas colinas
que se embrenha com o teu padecer!

Algarvia,
minha raiz,
abraças o meu regresso,
enterneces meu retorno.

4 comentários:

ZezinhoMota disse...

Belo poema e adoro ver ilustrações a complementar a poesia.

Gostei imenso daquilo que encontrei neste cantinho especial.

Não esquecer que é o meu mundo este puzzle que de letra a letra formam palavras em poesias que me deliciam a ler, cada um nos seus contextos.

Espero continuar a ler-te.

Que sejas feliz.

Bom fim de semana.

Bjnhs

ZezinhoMota

Nilson Barcelli disse...

Cheguei ao teu blogue através do e-mail promocional da II Antologia de Poetas Lusófonos.

Gostei da tua poesia. Ainda que algo diferente do que eu escrevo...

Beijinhos.

Nilson Barcelli disse...

Cheguei ao teu blogue através do e-mail promocional da II Antologia de Poetas Lusófonos.

Gostei da tua poesia. Ainda que algo diferente do que eu escrevo...

Beijinhos.

as-nunes disse...

Bom dia, Sandra!
Estou de férias
Estou?
Talvez.

Tenho andado indeciso se me habilito a bater à porta da II Antologia.
Só que eu não sou capaz de cumprir regras na escrita de poesia. Que regras? Rimar? Sonetos como mandam os cânones?

Gostei de aqui vir e de ler os seus poemas.
Beijinho, Sandra (agora é que é!...).
A Nunes